What is a crypto travel rule?

O que é uma regra de viagem criptográfica e como ela afeta a descentralização criptográfica

Reading time

O mundo da criptomoeda é famoso pelas suas preocupações de segurança e riscos de contraparte. Esta jovem indústria tem sofrido numerosos casos de acidentes incapacitantes relacionados com fraudes, crimes de colarinho branco, várias fraudes e outras actividades maliciosas. A principal razão é que as transacções criptográficas não têm vestígios e são completamente anónimas, o que dá aos atacantes maliciosos uma enorme vantagem para realizarem actividades prejudiciais.

Os serviços financeiros relacionados a transações de criptografia há muito sofrem com esse status quo infeliz. No entanto, A recente implementação da regra de viagem criptográfica da FATF pode finalmente mudar a maré. Vamos explorar a natureza da regra de viagem e seu impacto potencial no mundo criptográfico.

Principais conclusões

  1. A regra de viagem foi introduzida em 2019 pela FTAF e está a ser rapidamente aplicada em todo o mundo.
  2. A regra de viagem exige que as empresas relacionadas com a criptografia implementem procedimentos KYC e monitorizem as actividades dos seus clientes.
  3. A regra das viagens criptográficas foi concebida para combater o branqueamento de capitais e outros crimes importantes frequentemente praticados no mercado criptográfico.

Compreender a regra de viagem criptográfica

A Força-Tarefa de Ação Financeira (FATF) introduziu a regra de viagem no segundo semestre de 2019, afetando praticamente todos os aspectos da indústria de criptografia. Foi considerado um sucessor espiritual de leis semelhantes introduzidas por redes de fiscalização de crimes financeiros nos EUA. A regra de viagem espelhava sua contraparte fiduciária, obrigando as empresas a empregar protocolos e salvaguardas robustos de conhecimento do cliente. As empresas consideradas provedores de serviços de ativos criptográficos (CASPs e VASPs) devem cumprir esses regulamentos dentro de um prazo predeterminado.

A regra de viagem não foi totalmente imposta a partir de 2023, uma vez que o GAFI dá às empresas algum tempo para realizar uma transição suave. Afinal, a regra de viagem exige que as empresas relacionadas à criptografia monitorem as identidades e informações pessoais de seus clientes, o que nem mesmo foi implementado remotamente na maioria dos provedores de serviços de criptografia.

Apesar de inconveniente, a regra de viagem visa melhorar os níveis de segurança em todo o mercado de criptografia, minimizando as chances de fraudes, golpes e atividades de lavagem de dinheiro para ativos virtuais. Cada instituição financeira será responsável pelas actividades dos seus clientes, criando um sentimento de propriedade em todo o sector. O resultado ideal será que os indivíduos mal-intencionados terão cada vez mais dificuldade em realizar actividades ilegais através de meios criptográficos.

Jogadores importantes na regra de viagem

Agora, vamos destacar as figuras centrais e as organizações que contribuíram para a aplicação e evolução da Regra das Viagens nos sectores das viagens e financeiro.

Tarefa de Ação Financeira (FATF)

A organização FATF foi criada em 1989 e representa atualmente uma das maiores autoridades de combate ao crime de branqueamento de capitais a nível mundial. O GAFI é a última defesa contra o branqueamento de capitais a nível internacional, aplicando as regras KYC e de transparência. Os requisitos KYC do GAFI são rigorosos, mas principalmente justos, permitindo que as empresas operem livremente, divulgando apenas informações básicas sobre seus clientes materiais.

Os requisitos do GAFI 16 propostos em 2019 tornaram-se conhecidos como a regra de viagem, indo além do mundo fiduciário e entrando na indústria de criptografia. Embora os princípios básicos sejam os mesmos, a regra de viagem é um pouco mais rigorosa em comparação com a contraparte fiduciária. Isso se deve à natureza das criptomoedas e à maior dificuldade de capturar criminosos de criptografia. 

FATF member countries

Provedores de serviços de ativos virtuais (VASPs)

Os VASPs são objeto da regra de viagem aplicada pelos requisitos do GAFI 16. Os VASPs são caracterizados pelo FATF como entidades que fornecem troca de criptografia ou serviços de gestão. Assim, a regra de viagem se aplica a plataformas de câmbio, corretores, criadores de mercado, fundos de investimento e outras instituições relacionadas. As empresas consideradas VASP devem seguir as directrizes propostas pelo GAFI e recolher informações sobre os seus clientes.

Há certos limiares a ter em conta. Nem todos os clientes são suficientemente importantes para exigir a divulgação de informações. Assim, os VASP devem obter informações limitadas de clientes regulares e conhecimentos abrangentes de clientes materiais. A diferença neste caso é o endereço do mundo real e a residência dos clientes materiais para verificar suas identificações.

Who is a VASP?

Como é que a regra de viagem afecta as instituições financeiras?

A implementação da regra de viagem de criptografia foi um grande anúncio no mundo da blockchain. Desde o início, a regra de viagem enviou ondas de choque por todo o campo, sinalizando diferentes possibilidades aos olhos de vários participantes do mercado. Para alguns, a regra de viagem é considerada o fim deste sector. Para outros, é um instrumento necessário para tornar a paisagem criptográfica um lugar viável e seguro para o comércio. 

Approccio proattivo alla lotta al riciclaggio

money laundering cycle

A primeira vantagem óbvia da regra de viagem é sua abordagem agressiva em relação aos crimes de lavagem de dinheiro. As práticas de monitoramento de AML em criptografia deixaram muito a desejar na maior parte da década de 2010. Devido à completa descentralização e anonimato das transações peer-to-peer, a deteção de fraudes AML era quase inexistente.

No fim de contas, é impossível supervisionar as transacções quando o seu objetivo é o anonimato e a privacidade totais. Embora a descentralização seja importante para a cadeia de blocos, as práticas de branqueamento de capitais causaram prejuízos de vários milhares de milhões. Assim, é da maior importância prevenir esses crimes de uma vez por todas.

A regra de viagem exigirá que todos os VASP criem uma base fiável e rigorosamente controlada de potenciais clientes suspeitos. As directrizes especificam os limiares necessários para verificar os clientes materiais e outras classificações. Como resultado, a regra de viagem pode potencialmente criar um ambiente mais seguro para empresas de criptografia e seus respectivos clientes. 

Uma ponte simplificada entre o cripto e o fiat

How travel rule strengthens crypto and fiat connection

A conformidade com as regras de viagem em criptografia também tem um benefício secundário que pode transformar todo o setor para melhor. A ligação entre os mundos criptográfico e fiduciário é ténue e envolve numerosos obstáculos. Assim, os investidores escolhem principalmente um desses campos para operar, evitando muitas confusões no meio. 

A principal razão é que os investidores fiduciários não confiam nas transacções de criptomoedas. A ausência de práticas e directrizes de AML é uma grande desvantagem para a maioria dos investidores em criptomoedas. Com a regra de viagem, o status quo pode mudar drasticamente à medida que os regulamentos de criptografia se tornam mais uniformes e padronizados. Assim, muitos investidores anteriormente cépticos podem ficar motivados para se envolverem em criptografia.

Além disso, o protocolo de mensagens de regras de viagem garante que os dados do cliente transferidos pelos VASPs serão completamente confidenciais e não ameaçarão a privacidade de clientes individuais. A combinação dos fatores acima descritos terá um enorme impacto na transparência e legalidade do cenário de criptografia, dando aos detentores e comerciantes de criptografia uma maior sensação de segurança e conforto. 

A Regra de Viagem Derrota o Objetivo da Blockchain?

Embora a regra de viagem do GAFI em criptografia tenha implicações excecionalmente positivas para o cenário de criptografia, uma preocupação colossal é expressa entre a comunidade de criptografia. Muitos afirmam que a regra de viagem vai contra o aspeto de descentralização do blockchain, que é considerado a principal atração de toda a indústria. Embora esse sentimento seja tecnicamente verdadeiro, a maioria dos especialistas em criptografia vê a regra de viagem como o “mal necessário” dentro do mercado.

O campo das criptomoedas já sofreu demasiados casos de fraude, roubo digital e crimes de colarinho branco para continuar a ser negligente nestas áreas. É dolorosamente evidente que o aspeto do anonimato é indevidamente utilizado para facilitar crimes de vários tipos. Assim, a regra de viagem é necessária para garantir o crescimento e o desenvolvimento seguros do sector.

Princípios finais

Embora muitos considerem a regra de viagem controversa, essa mudança maciça no cenário de regulamentação de criptografia é, sem dúvida, necessária. O recente colapso da FTX, inúmeras violações de segurança cibernética, incidentes de lavagem de dinheiro e muitos outros crimes tornaram evidente que este mercado carece de regulamentação adequada. O mundo criptográfico precisa de incorporar novas regras para recuperar a confiança do público. A regra de viagem é um excelente passo na direção certa, embora exija refinamentos e revisões para se tornar um mecanismo de capacitação, não de limitações.

FAQ

O que é a regra de viagem em criptografia?

A regra das viagens criptográficas é um regulamento implementado a nível mundial para combater o branqueamento de capitais e outros crimes relacionados com as criptomoedas. Obriga as empresas a monitorizar de perto os seus clientes e a obter as suas informações pessoais para verificar a sua legitimidade.

O que é um VASP?

Os VASP estão sujeitos à regra de viagem. Estas organizações têm de recuperar os dados pessoais dos seus clientes e efetuar as transferências de dados da regra de viagem para as autoridades. Todo o processo é confidencial e não põe em risco a liberdade dos investidores individuais.

Quais são os requisitos FATF KYC?

Os requisitos KYC obrigam as empresas VASP a obter todas as informações essenciais de clientes regulares e dados abrangentes de clientes que realizam transferências criptográficas materiais.

Artigos recentes

B2BinPay at Finance Magnates Africa Summit 2024
B2BinPay is Bound for Finance Magnates Africa Summit 2024
16.02.2024
Crypto Expo Dubai 2024
B2BinPay To Present at Crypto Expo Dubai 2024
15.02.2024
B2BinPay v19, Instant Swaps and Expanding Blockchain Support
A B2BinPay v19 está Aqui, Apresentamos os Swaps Instantâneos e o Suporte de Mais Blockchains
How Wrapping Coins Solves a Cross-Chain Problem
Como é que o Wrapping de Moedas Resolve o Problema Cross-Chain da Blockchain
Educação 13.02.2024