understanding deflationary tokenomics in crypto

O Tokenomics deflacionário é saudável para as criptomoedas?

Reading time

A economia monetária tem sido extremamente difícil em qualquer forma ou feitio. Mesmo os sistemas mais pequenos e simples de fornecimento de dinheiro enfrentam desafios colossais ao estabilizar as taxas de câmbio do dinheiro e o poder de compra dentro da economia. Naturalmente, o mundo das criptomoedas partilhou o mesmo problema desde o início, percebendo que cada moeda requer práticas económicas firmes e bem pensadas para estabilizar a moeda. 

Hoje, essa parte do campo de criptografia é chamada de tokenomics e divide efetivamente o mercado de criptografia em dois subtipos – criptomoedas inflacionárias e deflacionárias. Este artigo irá descobrir o funcionamento interno de ambas as estratégias e determinar se a abordagem tokenomics deflacionária é realmente a melhor opção.

Principais conclusões

  1. As estratégias inflacionárias e deflacionárias são dois aspectos essenciais da cripto-tokenómica.
  2. A estratégia inflacionária é concebida para incentivar a negociação e a estratégia deflacionária é construída para incentivar a detenção de activos criptográficos.
  3. Um método deflacionário é utilizado por projectos de criptografia que visam transformar as suas moedas em activos de investimento lucrativos.

O que são Tokenomics em Crypto?

Para entender verdadeiramente a natureza das criptomoedas deflacionárias e inflacionárias, devemos primeiro compreender o conceito de tokenomics e seu valor crítico dentro do reino criptográfico. Tokenomics é um campo jovem criado logo após o surgimento da criptografia. Ele governa e define praticamente todos os aspectos da economia de tokens, desde o fornecimento de tokens, utilidade e meios de distribuição até a preservação de valor a longo prazo.

main aspects of deflationary tokenomics

A tokenomics é vital para todos os projectos de criptomoedas, uma vez que determina os incentivos e os factores de procura por detrás de cada moeda emitida. A tokenomics dita o potencial staking rewards, a extensão dos rendimentos, os mecanismos de queima de tokens, o fornecimento limitado vs fornecimento ilimitado e os cronogramas de alocação. Estas variáveis determinam a procura do token, uma vez que cada uma delas impulsiona os valores directos e indirectos subjacentes a cada criptomoeda.

Cada criador de criptomoedas dá ênfase a diferentes aspectos dos utilitários de criptomoedas. Alguns projectos esforçam-se por oferecer amplas recompensas de staking, enquanto outros dão prioridade à distribuição a longo prazo ou aos métodos de queima. Não existe um plano objetivo para criar uma moeda criptográfica muito procurada, uma vez que estão envolvidos numerosos factores internos e externos. 

Cripto-moedas inflacionárias e deflacionárias

As variações inflacionárias e deflacionárias das criptomoedas são significativas na tokenómica. Esses subtipos determinam como os crypto tokens são distribuídos no mercado e se eles oferecem um suprimento crescente de moedas ou um decrescente. Ambos os métodos têm os seus méritos e devem ser considerados da mesma forma quando se cria um novo projeto de criptografia. Mas primeiro, vamos explorar a distinção entre os dois termos económicos.

Diferença entre inflação e deflação na economia tradicional

A inflação refere-se geralmente a um aumento da oferta monetária relacionada com os respectivos produtos numa economia isolada. A deflação é o fenómeno oposto, em que os preços dos bens e serviços diminuem devido a vários factores. Como exemplo rápido, suponhamos que um país, X, produz apenas dez automóveis por ano. A massa monetária global do país X é de 100 000 dólares.

Portanto, cada carro vale atualmente $10.000. Se a massa monetária aumentar para $150.000, o preço unitário do automóvel subirá para $15.000. Se acontecer o contrário e a massa monetária fixa total descer para $50.000, então cada carro valerá apenas $5.000. O primeiro cenário descreve a inflação e o segundo ilustra a deflação.

inflation vs. deflation

Tanto a inflação como a deflação podem ser boas ou más, dependendo das circunstâncias. No entanto, ambos os movimentos económicos são considerados prejudiciais a longo prazo, uma vez que a fixação de preços justos no mercado é sempre a melhor opção para a saúde da economia local e internacional. A inflação rápida é sobretudo má porque diminui o poder de compra e trava o progresso económico, enquanto a deflação rápida conduz ao desemprego, à diminuição das despesas e a outros efeitos adversos. Assim, a moderação é essencial neste caso.

A abordagem inflacionária na criptografia

O princípio inflacionário dos projectos de criptomoedas não é muito diferente do conceito clássico de inflação, que apresenta um aumento gradual da oferta de fichas. Os projectos inflacionários ou têm uma oferta máxima fixa de fichas ou uma distribuição ilimitada de fichas. Ambas as abordagens têm os seus méritos, embora uma oferta fixa seja reconhecidamente muito mais fácil de controlar em relação ao valor do token. Afinal, não é fácil preservar o valor de algo ilimitado.

how inflationary coins work

Os projectos inflacionários aumentam sistematicamente o volume de distribuição dos seus respectivos tokens. Isto pode ser conseguido aumentando diretamente os montantes da oferta ou afectando indiretamente as recompensas de extração ou de aposta. Esta última estratégia incentiva os mineiros e os validadores a aumentarem os seus esforços e a facilitarem um maior volume de criação de fichas.

As estratégias inflacionárias são principalmente utilizadas por projectos que se concentram em ofertas de pagamento peer-to-peer ou outros serviços relacionados com transacções. Os tokens de criptomoeda inflacionários não exigem taxas de transação pesadas, pois não dependem dos serviços de mineradores ou stakers. Assim, são uma escolha perfeita como solução de pagamento quotidiano.

O Método Deflacionário em Cripto

Por outro lado, os projectos de criptomoedas deflacionárias empregam vários métodos para aumentar o valor dos seus tokens com o tempo. Existem várias maneiras de causar deflação gradual. Um bom exemplo é o procedimento de queima, que coloca várias criptomoedas fora de circulação. O processo de queima é bastante simples na prática. Os criadores de projetos de criptografia simplesmente distribuem uma parte de seu suprimento total para endereços de criptografia sem saída que são perpetuamente criptografados para todos.

how deflationary strategies boost the prices

Assim, os tokens “queimados” não existem mais em circulação. Naturalmente, os proprietários de criptografia recebem uma compensação apropriada em troca de suas moedas queimadas.

Outro método comum é o halving, que consiste em várias formas de desmotivar os mineiros ou stakers a criar novos tokens de criptografia. Por exemplo, a moeda Bitcoin tem um procedimento de halving que diminui efetivamente as recompensas de mineração dos tokens Bitcoin a cada quatro anos.

Para visualizar este processo, imaginemos que a Bitcoin fornece atualmente 100 dólares aos mineiros de criptomoedas por cada bloco de criptomoedas produzido. O procedimento de redução pela metade a cada quatro anos reduzirá efetivamente o incentivo de $ 100 para $ 50. Embora essa mudança não afete linearmente a produção de Bitcoin, ela é altamente proporcional à diminuição da oferta.

Existem outras formas de garantir a deflação gradual das criptomoedas, mas os métodos acima descritos são, de longe, os mais populares no mercado. O principal objetivo das estratégias deflacionárias é garantir que o preço dos cripto-tokens aumente de forma fiável e consistente no futuro. Como resultado, os investidores terão mais motivação para comprar e manter esses tokens por períodos de longo prazo.

Diferenças críticas entre os dois sistemas

Além do facto de os mecanismos inflacionistas e deflacionistas serem opostos, existem várias distinções fundamentais entre eles. Estas diferenças devem ser cuidadosamente estudadas para compreender os efeitos das duas estratégias simbólicas. Vamos explorar. 

inflationary vs. deflationary tokenomics

A Circulação de Abastecimento

Primeiro e mais importante, a diferença mais aparente entre os dois métodos é o seu fornecimento circulante. Os tokens inflacionários têm suprimentos de moedas exponencialmente mais altos ou não têm limite algum. Os projetos inflacionários não se preocupam com preços e avaliação geral, pois visam facilitar transações criptográficas baratas e rápidas em todo o mundo.

Por outro lado, os projectos deflacionários têm tudo a ver com o valor das suas moedas. Estes projectos esforçam-se por tornar a sua moeda valiosa para facilitar uma maior procura. Enquanto as moedas inflacionárias são um meio para atingir um fim, as moedas deflacionárias são consideradas activos inerentemente valiosos. Ambos os subtipos conduzem a resultados de circulação diferentes. Os tokens inflacionários são fáceis de encontrar e transacionar no mercado, enquanto as moedas deflacionárias são muito mais escassas e difíceis de recuperar.

O poder de compra e o valor

Outra distinção importante é o poder de compra de ambos os tipos de token. Os activos criptográficos inflacionários são concebidos para diminuir gradualmente o seu valor. Assim, manter esses tokens para benefícios não faz sentido, pois eles definitivamente valerão menos a longo prazo. Por conseguinte, as moedas inflacionárias destinam-se a ser compradas e vendidas para facilitar a compra de bens e serviços em todo o mundo.

Por outro lado, as fichas deflacionárias destinam-se a ser detidas e utilizadas como mercadorias, acções e outros activos em valorização. As fichas deflacionárias podem ser utilizadas para comprar vários bens e serviços, mas o seu verdadeiro valor reside na sua valorização gradual e orquestrada. Assim, o poder de compra diminui geralmente com as fichas inflacionárias e deflacionárias.

No entanto, o mercado de criptografia testemunhou alguns desvios estranhos da regra acima descrita. Algumas moedas inflacionárias podem aumentar de valor devido ao aumento da procura, apesar da sua natureza inerente. Dogecoin é um exemplo perfeito deste fenómeno. Por outro lado, não é garantido que os tokens deflacionários aumentem de valor, já que tanto o Bitcoin quanto o Ethereum são deflacionários e ambos sofreram quedas drásticas de preço nos últimos anos.

Possibilidades de conversão

Finalmente, há que ter em conta a flexibilidade de conversão de ambos os subtipos. As moedas inflacionárias podem ser facilmente convertidas em tipos deflacionários, uma vez que basta efetuar uma queima, uma redução para metade ou outros processos semelhantes. Isto restringirá automaticamente a oferta de moedas e torná-las-á escassas por natureza, aumentando o valor por unidade de cada moeda.

O mesmo não é viável com projectos deflacionários, uma vez que estes já têm limites e limites de oferta. Como resultado, os criadores de tokens deflacionários teriam de emitir moedas adicionais para o mercado. Embora isso seja tecnicamente possível, não faz sentido distribuir novas moedas no mercado criptográfico de forma aleatória. Assim, as moedas inflacionárias têm mais flexibilidade para controlar a sua valorização e evitar temporariamente cenários de hiperinflação.

A abordagem deflacionista é superior?

A natureza deflacionária dos activos criptográficos é inerentemente excelente para os investidores e detentores de fichas. Este mecanismo de tokenomics garante que os investidores receberão o valor do seu dinheiro a longo prazo. Se todas as coisas forem iguais, a abordagem deflacionária deve ser infalível, resultando na valorização do preço dos tokens devido à sua maior escassez. No entanto, todas as coisas raramente são iguais, já que o cenário criptográfico é excecionalmente volátil e sofre oscilações substanciais de preços. 

Embora a tokenomics deflacionária funcione eficazmente, muitos outros factores podem diminuir a valorização global da moeda. O exemplo mais proeminente é o Bitcoin, considerado principalmente deflacionário devido à sua oferta limitada e ao evento de redução para metade realizado a cada quatro anos. Apesar da sua escassez crescente, o valor da Bitcoin caiu espetacularmente nos últimos cinco anos, passando de uma avaliação de 70 mil dólares para o preço atual de 37 mil dólares.

BTC price fluctuation despite deflationary tokenomics

O método deflacionário não deve ser analisado no vácuo, uma vez que o valor dos tokens de criptografia depende de inúmeras outras variáveis, incluindo a volatilidade do mercado, regulations, demanda pública agregada e utilidades de token tangíveis. As táticas deflacionárias são apenas uma única engrenagem na máquina expansiva que dita os preços da criptografia. No entanto, geralmente é uma estratégia favorável se o projeto de criptografia visa incentivar investimentos e tendências de baixa em relação às suas moedas.

Uma abordagem deflacionária pode ser altamente eficaz, mas só funciona se outros factores favorecerem uma determinada moeda criptográfica.

Facto rápido

Deve investir em fichas deflacionárias?

Como já foi referido, o facto de os tokens serem deflacionários pode não justificar a sua valorização gradual. Muitas moedas deflacionárias não conseguiram atingir este objetivo nos últimos anos. A simples verdade é que a maioria das indústrias de criptografia ainda é muito volátil para facilitar a tokenomics deflacionária de forma adequada. Embora esse mecanismo funcione na prática, vários fatores econômicos, políticos e regulatórios podem compensar fortemente a métrica apreciada.

Assim, um token supostamente deflacionário pode diminuir de valor, contrariando as expectativas dos investidores entusiastas. Outro fator importante é a manipulação humana. Como já foi referido, a maior parte das moedas deflacionárias são concebidas para serem oportunidades de investimento lucrativas. Não foram concebidas para serem utilizadas na compra de bens e serviços. Assim, o objetivo da compra de moedas deflacionárias é o seu potencial retorno nos períodos seguintes.

Naturalmente, os comerciantes e investidores “baleias” são motivados a conduzir artificialmente os preços na sua direção favorita, uma vez que podem potencialmente obter lucros lucrativos com isso. Por conseguinte, as moedas deflacionárias podem frequentemente ser vítimas de vários esquemas de manipulação que afectam a procura orgânica do mercado e o equilíbrio da oferta. Embora o crescimento e a maturação da indústria de criptografia diminuam certamente estes riscos, o clima atual é ainda muito incerto e volátil a este respeito.

Pensamentos finais

A tokenomics deflacionária é excelente para o mercado de criptomoedas se aplicada e utilizada corretamente. Esse método garante a valorização gradual do preço de um determinado token, permitindo que os investidores tenham expectativas confiáveis para os ativos criptográficos que decidem manter. No entanto, é essencial lembrar que outros fatores, como volatilidade da criptografia, várias crises econômicas, restrições regulatórias, etc., podem compensar os efeitos deflacionários. Assim, se você está pensando em investir em criptografia, a tokenomics deflacionária não deve ser o único fator decisivo para sua escolha final.

FAQ

A deflação é boa para as criptomoedas?

A deflação é sobretudo positiva para os detentores de activos cripto, uma vez que aumenta o valor de cada moeda cripto. No entanto, a deflação também pode ter efeitos adversos no sector, fazendo com que os mercados se tornem menos líquidos e diminuindo os volumes de negociação.

Quais são os potenciais benefícios dos tokens deflacionários?

Os tokens deflacionários geralmente aumentam de valor ao longo do tempo. Assim, as moedas deflacionárias são óptimas opções de investimento para os investidores em criptografia. No entanto, é importante analisar de perto outras partes do tokenomics criptográfico para além da sua natureza deflacionária.

Que tokens criptográficos são deflacionários?

A BTC é simultaneamente inflacionista e deflacionista. No entanto, o limite máximo de distribuição de 21 milhões de moedas e o evento de redução para metade de quatro em quatro anos fazem com que o token BTC se incline para um estatuto deflacionário. Outros exemplos notáveis são a moeda Binance, Tamadoge e XRP.

Artigos recentes

Polygon vs Avalanche - Why You Need These Scaling Solutions?
Polygon vs. Avalanche: Qual Fica no Topo nas Transações de Criptomoedas?
Educação 21.02.2024
Bitcoin vs Credit Cards: How Much Fees Do You Actually Pay?
Transações Bitcoin vs. Cartão de Crédito: Quanto Poupa com as Criptomoedas?
Educação 20.02.2024
Symmetric vs Asymmetric Encryption in Cryptography
Diferença Entre Encriptação Simétrica e Assimétrica na Criptografia – Resumo Rápido
Educação 19.02.2024
Ways To Buy A Car With Crypto
Quer Comprar um Carro com Criptomoedas? Principais Marcas que Aceitam BTC como Método de Pagamento
Educação 16.02.2024